Votos reduzidos

A redução significativa dos votos dos atuais deputados em Maringá está em sintonia com a onda de renovação.

Em Maringá, por exemplo, o deputado federal Ricardo Barros caiu de 44.969 votos em 2014 para 23.214; Enio Verri, de 37.609 para 18.587; Luiz Nishimori, de 23.361 para 11.725; e Edmar Arruda, que não se reelegeu, de 18.109 para 5.736 votos.
O Sargento Fahur, que em 2014 disputou pelo pequeno PSDC, passou de 10.809 para 38.937 votos.
Para alguns observadores, a situação mais complicada é de Ricardo Barros, que pode cumprir seu último mandato. É que a redução de votos aconteceu mesmo ele tendo herdado bases de votação do deputado Nelson Meurer e ter reinado absoluto na mídia e na política ao assumir o Ministério da Saúde. Tudo indicava que, com isso, ele teria mais votos, o que não aconteceu. Comparando as duas eleições ele perdeu 34.371 votos, o equivalente, por exemplo, ao dobro dos votos obtidos pelo vereador Paulo Rogério do Carmo, deputado estadual eleito pelo PSL com 17.695 votos, levado pela grande votação de Francischini.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.