Três anos depois…

Hoje faz três anos que o abastecimento de água em Maringá passou pela sua pior crise, depois que a chuva fez transbordar o rio Pirapó e danificar as bombas da estação de captação. Maringá viveu dias muito complicados. Bem a propósito, o advogado Walter Alexandrino encaminhou à Companhia de Saneamento do Paraná a seguinte correspondência:

“Hoje completam três anos da ocorrência de falta d’água em Maringá, por conta da inundação da estação de tratamento localizada às margens do Rio Pirapó, penalizando milhares de consumidores.
Na ocasião, o presidente da Sanepar prometeu a realização de uma série de providências que visariam, a curto, médio e a longo prazos, evitar que, mesmo diante de excesso de chuva, se repetisse o mesmo problema.
Dentre essas medidas, algumas emergenciais, como aquisição de motores sobressalentes, que não havia, e a perfuração de poços artesianos em pontos estratégicos da cidade, salvo engano, em número de 5 poços.
Ressalte-se que em alguns bairros da cidade não faltou água, devido à existência de tais poços.
Não se esquecendo da medida principal, realocação da estação de tratamento em nível mais afastado do referido Rio Pirapó, que por si só seria suficiente a evitar novo episódio.
Diante do tempo transcorrido e ausência de contato por essa Companhia com seus consumidores a respeito do ocorrido, solicito informar quais dessas medidas foram cumpridas”.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.