Sismmar diz que cumprir lei que institui comemorações é retrocesso

O Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá considerou um retrocesso a decisão da Secretaria Municipal de Educação de cumprir lei aprovada no final do ano passado pela Câmara, de autoria dos vereadores Alex Chaves (PHS) e Jean Marques (PV), atual e ex-líderes do prefeito.

A lei 10.726/2018 institui a comemoração do Dia das Mães, Dia dos Pais e Dia das Crianças nas unidades da rede municipal de ensino; até então, um decreto proibia as comemorações.
O Sismmar manifestou-se surpreso com a decisão da Seduc de cumprir a lei sancionada pelo prefeito Ulisses Maia, pois imaginava-se que não fossem sair do papel, uma vez que a medida é considerada um retrocesso para as escolas e centros municipais de educação infantil do município.
Para o Sismmar, a questão vai além do entendimento que se tem de família, e que hoje supera o conceito arcaico de que família é apenas formada por pai, mãe e filhos. Há várias situações em que essas comemorações podem causar constrangimento aos pequeninos. Leia mais.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.

7 pitacos em “Sismmar diz que cumprir lei que institui comemorações é retrocesso

  1. Os nobres edis se esquecem que um grande número de crianças que frequentam ensino público são de origem muito pobre, muitos sem o convívio de pais e mães… Mas devido à pressão de uma minoria de pais que tem total condições de colocar seus pimpolhos no ensino particular, criaram esta lei estranha… Mas em Jacucity, ou Má-ringá, a vontade de quem $$$$ sempre prevalece…Viva o atraso!!!!!!!

  2. Carlão Maringá diz:

    As comemorações dos dias dos pais e mães ocorreram por milênios, agora as datas causam constrangimento? Eu desconheço alguém que estudou e não tinha pais que ficaram traumatizados por causa destas datas comemoradas nas escolas, se alguém conhece me apresentem. Em uma escola que possui 400 alunos, dos 400, 10 são filhos de pais separados, mortos, ou gays, significam que 490 não podem comemorar?

    • A realidade da escola pública é bem diferente da que você imagina. A minoria dos alunos tem a família tradicional formada por pai, mãe e filhos. A realidade é de filhos que não convivem com os pais, que convivem com os avós, tios, ou filhos que convivem com pais agressivos, ou com pais que abusam sexualmente de seus irmãos…
      A escola precisa trabalhar a questão do consumismo nas datas comemorativas, levar o aluno questionar, a analisar os comerciais de maneira crítica.
      Ouvi o depoimento de uma psicóloga muito bem conceituada que diz que não imaginamos quantas crianças sofrem por mexer nestas feridas. Uma dor que poderia ser evitada.

  3. É assim que a família vem perdendo seu valor, perdendo o amor, se esquecendo de amar o próximo,
    As escolas se tornando uma coisa chata p as crianças, professores e alunos ficando cada vez mais distante.

  4. ALGUÉM PODE ME DIZER PARA QUE SERVE ESTE SINDICATO? POIS EU ACHO QUE SERVE PARA SRA. PREPOTENTE IRAILDES ANDAR DE CARRO NOVO PARA CIMA E PARA BAIXO. LEMBRANDO QUE CARRO NOVO DO SINDICATO E COMBUSTIVEL PAGO COM AS CONTRIBUIÇÕES DE NÓS SERVIDORES. ANTE QUE FALEM ALGUMA COISA DO HORÁRIO, ESTOU DE FÉRIAS.

Deixe seu pitaco