A frigideira e a concepção de mundo

1) Desde que assumiu o Planalto, Jair Bolsonaro vive tentando conciliar duas exigências conflitantes: ser Bolsonaro e exibir o bom senso que o cargo de presidente requer. O problema não é o conservadorismo do capitão. O que obscurece sua Presidência é o arcaísmo. Os valores que Bolsonaro deseja conservar pertencem à Idade da Pedra.

Sua agenda paleolítica empurrou o Brasil para dentro de uma frigideira internacional. Ironia suprema: após liberar a catraca do Brasil para turistas americanos, dispensando-os do visto, Bolsonaro não consegue descer em Nova York. Leia mais.
2) Se ninguém esperava um estadista no Planalto, mesmo os mais pessimistas chegaram a achar que Bolsonaro acabaria se adequando às regras do decoro e às imposições da realidade. Não está acontecendo. E, como se percebe, suas pregações delirantemente reacionárias acabam atravessando fronteiras. E sempre chega a hora, meus caros, em situações assim, em que o desprestígio do governante atinge os negócios. Amigos que moram em várias partes do mundo relatam que somos motivo de chacota e preocupação — os que conhecem, claro!, alguma coisa sobre o Brasil, o que também não é a regra. Leia mais.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.