Licitação de ATIs: Observatório pede providências aos vereadores

ati

O Observatório Social de Maringá encaminhou um ofício de sete páginas aos vereadores de Maringá (abaixo) depois que não conseguiu sensibilizar o prefeito Carlos Roberto Pupin (PP) sobre indícios de irregularidades numa licitação – vejam só – de academias ao ar livre, as chamadas ATIs. A licitação foi realizada no último dia 13 e vencida pela Zati Equipamentos para Ginástica Ltda., por R$ 239.940,41.
O OSM havia informado ao prefeito que as peças que a Secretaria de Esportes e Lazer pretendia adquirir tinham praticamente o mesmo preço de um equipamento novo (veja acima), além de que o edital era contraditório e obscuro.


A licitação, marcada inicialmente para dezembro do ano passado, chegou a ser adiada, e questionada a administração Pupin/Barros respondeu com evasivas. A presidente da entidade, Fábia dos Santos Sacco, reclamou da falta de transparência da prefeitura e lembrou, na correspondência aos vereadores, que cabe uma ação civil pública por improbidade administrativa contra o prefeito Carlos Roberto Pupin.
Para quem acompanha a administração, nada de novo; isso acontece de forma mais comum do que se imagina. O incomum é denunciar ao Ministério Público e os vereadores tomarem providências.
Neste caso específico, o blog só lembra que o setor que cuida das ATIs estava até recentemente sob os cuidados de Maria Izabel Nogueira, pessoa muito próxima do prefeito, que deixou o cargo para ser pré-candidata a vereadora. Inclusive foi substituída, no cargo comissionado, por uma sobrinha.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.