biblioteca

Maringá

Ressurgimento

O prédio da Biblioteca Municipal Bento Munhoz das Rocha, na região central de Maringá, está ressurgindo, com toda a sua beleza, à medida que avançam as obras de reforma.

Educação

Internato de Ivatuba inaugura nova biblioteca dia 9

IAP

Na próxima terça-feira, 9, às 9 horas, acontecerá a inauguração do novo prédio da biblioteca e outras dependências do Instituto Adventista Paranaense (IAP).
O IAP é uma escola que oferece regimes de estudo em internato e externato e hoje conta com aproximadamente 900 alunos que estudam da Educação Básica ao Ensino Superior, nas áreas de Administração, Enfermagem, Pedagogia, Teologia e Pós-graduação EAD.Continue lendo ›

Blog

Obras públicas

A Prefeitura de Maringá gastou na reforma e ampliação da Biblioteca Municipal Professora Maria Aparecida Cunha Soares, entregue hoje no Parque das Palmeiras, cerca de R$ 300 mil (recursos próprios).
O equivalente a pouco mais do que gastou no portal de madeira do Parque do Ingá e menos da metade do que está gastando na construção do Centro de Apoio ao Turista, no mesmo local, com recursos do governo federal.

Geral

Reclamação na inauguração

Há pouco, na inauguração da Biblioteca Municipal Professora Maia Aparecida Cunha Soares, no Parque das Palmeiras, uma maringaense chamou a atenção.
A mulher acompanhou a cerimônia na parte da frente, perto do prefeito Carlos Roberto Pupin (PP), e começou a reclamar da administração municipal e da falta de segurança em Maringá.

Blog

Improviso permanente (2)

Biblioteca

Esta semana a Biblioteca Municipal Bento Munhoz da Rocha, de Maringá, comemorou 52 anos, com direito à presença da secretaria de Cultura, Olga Agulhó. A biblioteca, que ocupou durante anos um estiloso prédio da avenida XV de Novembro, que tinha problemas de infiltração, está desde setembro de 2012 numa sala alugada no térreo de um edifício da avenida Horácio Raccanello Filho. Nunca mais se falou sobre sua nova sede.
Típico da turma que está no poder desde 2005, lembre-se 2008: o então prefeito Silvio Barros II (PHS) anunciou que a biblioteca iria mudar no ano seguinte para o prédio de três andares do Itaú, na avenida Paraná, dentro do acordo para entregar a conta corrente do funcionalismo àquele banco. E a vida segue na província.

Herrar é umano

Acentuação incorreta

Biblioteca
A Biblioteca Pública Municipal Tomires Moreira da Carvalho, localizada na avenida Mandacaru, está completando 26 anos de atividades. Quem mandou confeccionar a faixa comemorativa, porém, esqueceu-se de cobrar a correção do erro: o acento no “u” (como é oxítona terminada em “u”, não leva acento, a não ser acompanhada de outra vogal). De novo, lembre-se que existe uma lei municipal que prevê a correção desse tipo de painel voltado para o passeio público.

Cidades

O triste fim de uma biblioteca municipal

capture-20130712-100212
Uma reportagem exibida ontem à noite pela RPC TV – aqui – revoltou o professor Gilberto Pavanelli, ex-reitor da Universidade Estadual de Maringá. Em Bela Vista do Paraíso – sua terra natal, assim como de Renato Negrinho, da piloto Débora Rodrigues e da atriz Márcia Imperator – as autoridades permitiram que milhares de livros se perdessem, resultado de despejo, abandono e má sorte. “Confesso que no alto dos meus 65 anos jamais pensei que veria o que foi divulgado”, testemunha. Em Maringá houve episódio recente, quando milhares de livros foram enviados para serem “descontruídos” e reciclados (sic). Será que os políticos continuam não ouvindo as vozes que vem das ruas? Pavanelli ficou de enviar o link com a reportagem ao ex-deputado estadual e conselheiros do Tribunal de Contas Nestor Baptista, também nativo da terrinha, para dar uma olhada na prestação de contas do município.

Verdelírio

Sobra gente, falta mesa

Um cidadão maringaense, frequentador assíduo da Biblioteca Central de Maringá que agora funciona no Novo Centro, pediu para registrar sua reclamação. Ele disse que costuma comparecer na Biblioteca Municipal para a leitura de jornais, mas está tendo alguma dificuldade. Segundo o reclamante, àquela biblioteca está com cerca de 40 funcionários, e no entanto dispôe de apenas uma mesa para leitura.Continue lendo ›

Cultura

Quem sabe, um dia

biblioteca
Maringá começou 2013 sem a principal biblioteca pública, hoje acomodada em espaço provisório e depois do descarte de livros promovido pela gestão anterior (atitude que foi premiada com uma nova secretaria). A reforma do prédio, que um dia foi referência arquitetônica, ou mesmo a mudança da biblioteca foram aventadas e anunciadas há anos – mas nada foi feito. O Centro de Ação Cultural também foi para instalações provisórias, mas no prédio que deveria ser reformado hoje funciona o EstaR e parte da Setrans, ou seja, a tal reforma não acontecerá tão cedo.

Blog

O que aconteceu?

Dr. Rosinha e João Caruana
O deputado federal Dr. Rosinha (PT) e o padre João Caruana, defronte a Biblioteca Municipal Bento Munhoz da Rocha Neto, recentemente desocupada, e de onde saíram para a trituração milhares de  livros doados pela comunidade. Parecem perguntar o que aconteceu.

Blog

Biblioteca de Maringá é roubada

(Corrigido) Ladrões levaram vários objetos, no final de semana, do prédio da antiga biblioteca municipal de Maringá, na avenida XV de Novembro, no final de semana. Computadores e ventiladores estariam entre eles. O furto aconteceu durante transferência de móveis da Setran para o prédio. Nos últimos anos aumentou consideravelmente o número de furtos de objetos do patrimônio público, inclusive no Almoxarifado Central.
Esta é uma repostagem, a segunda que some do blog de ontem para hoje.

Blog

Livros destruídos: sindicância de cartas marcadas

O blog soube que a sindicância aberta pela Prefeitura de Maringá teria sido armada para absolver a gerente de Promoção da Leitura do Sistema de Bibliotecas Públicas de Maringá, Márcia Juliane Valdivieso Santa Maria, que ocupa cargo de confiança (CC2). O objetivo seria tentar penalizar a bibliotecária Geni Kiayo Matsuda, servidora de carreira, que em novembro completará 26 anos de trabalho no município. No dia em que decidiu-se pelo descarte de centenas de livros da Biblioteca Pública Municipal Bento Munhoz da Rocha Neto, Geni era uma das pessoas mais indignadas com a ordem – que teria partido justamente da secretária Flor Duarte. Espera-se que o prefeito de plantão não permita que a armação se concretize.
Informações neste sentido circulam desde ontem e foram confirmadas por fontes da prefeitura na tarde de hoje.

Má-ringá

Livros destruídos: gerente é afastada

A gerente de Promoção da Leitura do Sistema de Bibliotecas Públicas de Maringá, Márcia Juliane Valdivieso Santa Maria, que é cargo de confiança (CC2), foi afastada das funções na tarde de hoje; o site da prefeitura, sem citar nomes, informa que o afastamento deu-se ontem e que foi aberta sindicância. Ela está grávida e foi escolhida como bode expiatório do novo escândalo envolvendo a administração municipal, a destruição de livros. A prefeitura alega que os livros são inservíveis, apesar das imagens mostradas na televisão e no YouTube mostrarem o contrário.
O blog soube que a Plush, flagrada nas imagens, fez várias viagens levando muitos livros para a destruição. O material foi vendido, sem que tivesse ocorrido licitação. Ninguém sabe informar a esta altura do campeonato onde foi parar o dinheiro.

Má-ringá

Destruição de livros, um agravante

O agravante, aponta leitora, no caso da destruição de livros da Biblioteca Municipal Bento Munhoz da Rocha Neto, é que em junho foi feita, por R$ 25 mil mensais, a locação de imóvel do empresário Pedro Granado, no Novo Centro, para abrigar por 12 meses a biblioteca com dispensa de licitação. Granado, ex-secretário de estado de Jaime Lerner, é conhecido financiador das campanhas dos Barros. A prefeitura dispensou licitação (com o argumento “cujas necessidades de instalação e localização condicionem a sua escolha”, frente a dezenas de opções de imóveis em área central igualmente aptas), para locar um imóvel de sua escolha, que não comporta o acervo existente, o que leva ao descarte de acervo público. Isso é coisa para o Ministério Público e polícia.Continue lendo ›

Má-ringá

Vergonha, vergonha, vergonha

http://youtu.be/kSM3Gw5duyw
Mais um vídeo, este feito ontem pela manhã por Leandro Fóz, sobre o descarte de livros da Biblioteca Municipal Bento Munhoz da Rocha Neto, de Maringá, retrato do descalabro que atingiu a cultura da cidade sob a atual administração.

Maringá

Haverá descarte do acervo?

Leitor, a respeito do fechamento da Biblioteca Municipal Bento Munhoz da Rocha para um novo local (que o blog antecipou), a partir da próxima segunda-feira, pergunta: o que será feito agora? “A administração diz que construirá um prédio apropriado no terreno da antiga rodoviária ou em um terreno no Novo Centro, masaveriguei: os dois terrenos estão comprometidos; assim sendo, estou acreditando que estamos sendo enrolados mais uma vez. É a vitória de uma batalha que começou há mais de 25 anos com denúncia no Ministério Público e arquivamentos e desarquivamentos do processo.Continue lendo ›

Estadual

Móveis de ex-governador que estão em Maringá irão para Curitiba

Móveis de Bento Munhoz
O mobiliário do escritório do ex-governador Bento Munhoz da Rocha Neto, hoje expostos na biblioteca pública que leva seu nome, em Maringá, foram tombados e incorporados ao acervo do Museu Paranaense, que fica em Curitiba. A decisão foi tomada pelo Conselho Estadual do Patrimônio Cultural, em recente reunião, atendendo pedido do historiador Jair Elias dos Santos Júnior, de Campo Mourão. A intenção inicial é restaurar o mobiliário. Após o restauro, o conjunto permaneceria definitivamente na sede do Museu Paranaense, local que reúne também outros objetos do ex-governador.Continue lendo ›

Maringá

Prefeitura aluga prédio para biblioteca

A empresa Pedro Granado Imóveis Ltda. receberá R$ 25 mil mensais pela locação de um imóvel no Novo Centro de Maringá que vai abrigar a Biblioteca Municipal Bento Munhoz da Rocha Neto. O prédio atual, localizado na avenida XV de Novembro, deverá sofrer reparos, como se aguarda há muitos anos. A Secretaria de Cultura havia negociado um prédio na avenida Brasil, com o Itaú, como parte da licitação vencida pelo banco para abrigar as contas correntes do funcionalismo, mas posteriormente descartou o uso do imóvel.
A sede da nova biblitoeca fica na avenida Horácio Raccanello Filho, nº 6090, no Edifício Tom Jobim Residence (de acordo com a empreiteira, ainda em construção). O contrato, feito após dispensa de licitação, é de 12 meses (R$ 300 mil), prorrogáveis por iguais e sucessivos períodos, até o limite de R$ 1,5 milhão. Enquanto isso, a prefeitura quer se desfazer do prédio do Cine-Teatro Plaza…

Má-ringá

Um (mau) exemplo

http://youtu.be/viXTOWeYFOw
A Rede Massa divulgou hoje, em rede estadual, a situação do prédio da principal biblioteca de Maringá. Por sinal, há alguns anos a administração do sabe-tudo renovou a folha de pagamento com o Itaú, mesmo com concorrentes oferecendo bem mais, e em troca recebeu um prédio para abrigar a bibloteca – o que nunca aconteceu, pois o local era impróprio. E o erário, ó…

Má-ringá

Prédio da biblioteca pode ser interditado

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Maringá pediu ao Ministério Público a interdição do prédio da Biblioteca Municipal Professor Bento Munhoz da Rocha Netto. O prédio tem problemas de estrutura, infiltrações e rachaduras, além da falta de acessibilidade. Em 2007, o Sismmar entrou com o mesmo pedido no MP e a Prefeitura de Maringá se comprometeu a reformar o prédio e melhorar as condições de trabalho e segurança dos servidores. No entanto, segundo a presidente da instituição, Iraídes Baptistoni, nada foi feito até então. “Os problemas só pioraram. As rachaduras aumentaram, há fissuras nas paredes estão cedendo e jáá começaram a cair restos de construção no chão”, afirma. Leia mais na Gazeta Maringá.

Má-ringá

Estado da Biblioteca Municipal é “crítico”


Desde 2009 o Sismmar denuncia as péssimas condições do prédio da Biblioteca Municipal Bento Munhoz da Rocha, de Maringá. “A situação é crítica, já que os funcionários do local estão expostos a riscos (…). A administração Barros se comprometeu em transferir a biblioteca, provisoriamente, para outro local, enquanto as devidas reformas no prédio não são feitas. Até o momento, essa é outra promessa que não foi cumprida”. Leia mais.

Ivana Veraldo

De castigo na Biblioteca!

Mandar os alunos mal comportados para a biblioteca é uma estratégia inadequada e inútil quer para o aluno, quer para as atividades e objetivos dos professores. É uma opção que ainda não foi erradicada das escolas. Ela é utilizada como forma de alguns professores “aliviarem os problemas” da sala de aula. O resultado da adoção frequente dessa forma de castigo é que os alunos passam a associar a biblioteca a algo desagradável. Inaceitável!

Ivana Veraldo