má gestão

UEM

Má gestão recorrente

O quadro acima é do relatório de auditoria sobre as universidades paranaenses, feito por servidores do Tribunal de Contas do Estado do Paraná. Refere-se a 2017, com dados de 2016, quando quem dirigia a UEM era Mauro Baesso, que tinha o atual reitor como vice.Continue lendo ›

Má-ringá

Na UEM, descaso, má gestão, desperdício do dinheiro público

Ginásio de Esportes-10 UEM
O cemitério de obras inacabadas no campus sede da Universidade Estadual de Maringá é a imagem do abandono e da má gestão – são vários blocos somente iniciados, contendo centenas de salas de aulas se deterioriando. Político, o professor Décio Sperandio, que foi vereador e hoje concorre ao terceiro mandato de reitor, mudou as prioridades dos recursos de R$ 15 milhões obtidos na gestão anterior (Gilberto Pavanelli) junto ao então governador Roberto Requião, o que fez tudo desandar. O mesmo Sperandio era até recentemente cargo comissionado do governador Beto Richa, cuja relação com a UEM não chega perto à de Requião. Sem falar em Ricardo Barros (PP), que usa a administração fantoche para segurar a liberação de algumas obras, como o ginásio acima, com recursos federais garantidos há anos. Ele usa a prefeitura para negociar a construção do túnel sob a UEM, e já falou isso na cara do reitor Julio Prates – que, até onde se sabe, não reagiu. O assunto deve voltar a baila esta semana, também por conta da campanha eleitoral.
Salas de Aulas-8 UEM